Floresta Ardeep

Essa pequena floresta, remanescente do reino élfico de Illefarn, jaz nas proximidades da agitada cidade de Waterdeep. As fronteiras agradáveis da Floresta Ardeep escondem matas bastante densas, cujo interior está repleto de canais perigosos e fendas camufladas por videiras espessas e arbustos, onde existem brumas constantes, javalis selvagens e inúmeras ruínas escondidas. Os foras-da-lei e alguns elfos solitários vivem em Ardeep, assim como ursos-coruja dispersos, lobos e stirges, mas nada pior, exceto pelo herói élfico, o insano morto-vivo Reluraun.

A tumba de Reluraun, no coração de Ardeep, é protegida no mínimo por três baelnorns (lich bons), que afastam qualquer criatura viva. Distorcido por magias malignas em sua batalha final, atualmente Reluraun é um insano e agressivo par de mãos esqueléticas e olhos. Sibilando, ele retalha qualquer invasor usando uma espada mágica.

Ardeep também abriga a famosa Clareira Verde, o Vale Dançante e diversos túneis, porões e armazéns antigos, construídos durante o reino de Phalorm; talvez alguns deles ainda contenham tesouros ou uma conexão com o Underdark.

A Clareira Verde foi batizada devido ao seu círculo protetor de olmeiros – independente da estação, em seu interior sempre parecerá primavera. As criaturas de tendência Boa são bem-vindas e as magias de cura nesse local têm efeitos muito poderosos. Nenhuma trilha até a Clareira sobrevive mais de uma noite.

O Vale Dançante é um pequeno e silencioso vale de musgo macio, grama curta e samambaias. A Senhora Pedra, um pequeno testemunho sagrado para Eilistraee, jaz em seu centro. Os drows que veneram essa divindade costumam dançar no Vale em noites enluaradas, muitas vezes liderados por Qilué Veladorn das Sete Irmãs. Os poderes da Senhora Pedra resguardam o Vale e todos sabem que a deusa se manifesta aqui.

História

Na época de Athalantar (cerca de 200 CV), os elfos de Ardeep vendiam cálices e garrafas de vidro soprado (de tons arco-íris, verde-azulado ou ambar-para-ouro), tecidos extremamente caros (um véu de noiva chegou a custar mil peças de ouro a um nobre de Athalantar) e dois vinhos de excelente qualidade: o verde-esmeralda fresco vinho de menta, servido em centenas de tavernas e casas nas terras humanas, e o mais extraordinário gota selenita, um liquor claro borbulhante e com sabor defumado, cuja reputação lhe atribui propriedades curativas. Os melhores artigos élficos vêm de Shantel Othreier (uma floresta fechada que ficava onde são hoje os Campos Verdes).

Ruínas

Casa de Pedra

Na fronteira oriental da Floresta Ardeep situa-se uma imensa torre quadrada, construída há pelo menos 1.000 anos pelos anões e elfos de Illefarn. O s elfos da lua costumavam manter todos os invasores afastados da Casa de Pedra, mas quando eles deixaram a torre, ela se tornou um território livre.

A Casa de Pedra contém centenas de salas, átrios, salões, templos e torres, conectados como parte de um labirinto. Algumas câmaras foram despedaçadas por antigas batalhas e desabamentos, outras se ergueram e caíram em fossos e algumas descansam em silêncio, repletas de fantasmas de elfos, anões e humanos armados. Conforme esperado, muitas salas abrigam carniçais e sombras.

As lendas indicam a existência de ouro, gemas e um arsenal de armas anãs escondidas aqui. Originalmente chamado de Pedra Virada, o refúgio foi construído para defender o poço homônimo, que ainda existe em seu centro. A s águas do poço advêm de um lago profundo do Subterrâneo, chamado de Asmaeringlol (“gota gigante”) e muitas criaturas subiram das profundezas até a Casa de Pedra para devorar aventureiros incautos.

Floresta Ardeep

Contos Esquecidos bruno_baere bruno_baere