Feralas, o Tatuado

Description:

Magro e alto pra um wood-elf. Pele cobre escuro, quase bronze e cabelos ondulados e desgrenhados da cor de cobre avermelhado. Um cavanhaque no queixo que parece bem melhor cuidado do que seus cabelos. Usa uma armadura de couro leve por baixo de uma capa feita de folhas e gravetos. Braços a mostra pra deixar claro sua característica mais proeminente: Suas tatuagens em seu braço esquerdo que descem pelo torso e vão até a sola de seu pé esquerdo. Tem quase sempre um olhar amigável que alguns interpretam como abobalhado. (E podem estar certos algumas vezes)

Bio:

Como todo wood-elf, Feralas passou sua longa infância em contato com a natureza em High Forest. Um dia percebeu que algo estranho estava acontecendo nas profundezas da floresta. Uma energia maligna e nefasta vinha de suas entranhas. Preocupado e curioso, Feralas decidiu investigar e encontrou Goldar, um warlock maligno usando a energia da floresta para realizar um ritual demoníaco. Viu a floresta morrendo diante de seus olhos e decidiu agir sem pensar (sempre foi assim). A luta foi breve mas brutal. O warlock foi morto com um galho enfiado em seu coração e o jovem Feralas ficou mortalmente ferido com uma maldição. Sabia que não tinha muito tempo de vida e se sentiu feliz por morrer pela natureza. Assim que ouviu a voz de Sylvanus, o Pai da Floresta. Tranquilizou e parabenizou o jovem elfo por sua bravura e convicção e disse que iria salvá-lo como gratidão pela sua devoção à natureza. Da floresta vieram lobos, aves e animais silvestres que carregaram Feralas até um pequeno lago banhado com a luz do luar. A magia da natureza o curou da maldição e salvou sua vida.

Algum tempo depois, o jovem elfo estava bem e saudável, mas toda vez que passava pelo trecho amaldiçoado pelo ritual de Goldar sentia tristeza. Decidiu então dedicar a vida que foi lhe dada de volta a cuidar da terra manchada e fazê-la viva novamente. Dedicou 40 anos de sua vida aos animais, plantas e terra daquele lugar. Viveu sozinho por muito tempo, aprendeu a sobreviver na selva. Aprendeu sobre os animais da floresta e sobre Sylvanus. Dedicou o pouco intelecto que tinha a aprender os caminhos naturais e sobre a magia antiga até que finalmente se pode ouvir o cantarolar de pássaros e o farfalhar de folhas novamente no que antes era uma terra morta. O Pai da Floresta, então, lhe disse que daria uma benção que poucos tinham. O tornaria um druida, um protetor da natureza e do equilíbrio. Foi como se estivesse em um transe, entre o sonho e a realidade. Ele seguio as instruções de Sylvanus e tatuou em seu corpo o link que o deixaria canalizar a energia da terra e realizar magias poderosas e antigas. Por 4 meses excruciantes tatuou o lado esquerdo de seu corpo com nada além de espinhos e tintas naturais e com um clarão de energia mágica selando o vínculo com a terra, a tatuagem estava pronta.

Agora ele vaga pelo mundo tentando sempre defender o que é bom e vivo nesse mundo. Ajudando quem precisa e, se necessário, destruindo aqueles que gostariam de desequilibrar a harmonia. Por muito tempo passou longe da civilização e agora que está de volta, sente necessidade de suas regalias mais do que quer admitir. Especialmente a bebida. De vez em quando usa seus conhecimentos de herbalismo pra ganhar uma moeda ou outra e no meio tempo, está sempre em busca do próximo estágio de seu destino.

Feralas, o Tatuado

Contos Esquecidos bruno_baere becurvello